sexta-feira, novembro 04, 2005

Que sentido isto faz?

Está a fazer meio ano, este blog. Criei-o em Maio, a carreira docente perto do fim (não tão perto assim como projecto e opção, mas agora tornada perto por, de repente, nuns escassos dois ou três meses, ser empurrada para me dizer Estou farta!).
Pensei num espaço onde iria colocando e guardando memórias profissionais. Como professora de Matemática, notas sobre aquilo em que sempre pensei - a disciplina de maior taxa de insucesso, os métodos que a podem minorar, esse ganhar gosto pelas aulas de Matemática quando os putos descobrem que, afinal, são capazes, aquelas aulas em que ao fim de dois meses pequenotes de 10 anos punham os seus grupos a funcionar activamente e pareciam mini-professores esquecidos até de onde andava a professora na sala ocupada com outro grupo qualquer, mais outro pequenote, também "dispensando" a professora para dizer em voz alta "discutam mais baixo, assim não conseguimos concentrar-nos!".
Mas não apenas como professora de Matemática, que antes disso sou professora - educadora simplesmente. Também memórias soltas de coisas maravilhosas que eles e eu descobríamos que eles eram capazes de fazer, por exemplo, mas não só, naquele espaço que dava a direcção de turma - coisas, entre outras, como aqueles convites das turmas aos pais para uma reunião sobre tema que bem queriam discutir com estes, mas a que só se atreviam sob a segurança de uma preparação que eles próprios faziam, mas que faziam com essa segurança de a fazerem com a dt - coisas que sempre me continuavam a maravilhar e que tão encantados deixavam os pais, coisas, enfim, essas e outras, que são o motivo do lema deste blog.

Criei o blog mal conhecendo a blogosfera e desconhecendo completamente aquela a que costumo chamar blogosfera docente. Não me preocupava ter ou não visitas, era um espaço para ir escrevendo quando tivesse tempo, talvez para mais tarde, quando reformada, fazer dos soltos algum todo organizado.
Seriam memórias sobretudo do longo tempo a leccionar 2º Ciclo - que é de pequenos que eles têm que começar, se não começam aí já é difícil o 3º Ciclo ser igual. 2º Ciclo em que permaneci a leccionar a maior parte da vida por força dos estágios não congelados na altura em que principiei, que os outros estavam congelados, e a oportunidade de segurança e estabilidade profissional tinha que se sobrepor ao gosto de passar a vida a trabalhar com adolescentes.

Mas as memórias mudaram. Mudaram um pouco quando a minha escola de há já bastantes anos (e definitiva, que não se deita fora a sorte de chegar a dois passos de casa) passou a escola 2,3, e a profissionalização para o 3º Ciclo (e Secundário, que não existem "professores de 3º Ciclo") me permitiu ter ainda o gosto de trabalhar com adolescentes - mudaram um pouco sobretudo ao deixar quase de leccionar 7º para receber as turmas já no 8º. Não foi, no entanto, essa a razão importante da mudança.
A minha primeira "pré-reforma" foi da direcção de turma, muitos anos já cumprida e em que só aceitava outro cargo sob pedido/condição de ela não me ser tirada. Porque veio a invasão da burocracia, e eu não suporto papeladas/burocracias inúteis, e os tempos em que antes se discutia foram substituídos pelos tempos de escrever papeis a dizer o que se deve (devia) discutir sem sobrar mais tempo senão para arquivar o que ninguém volta a ler a não ser quando há que acrescentar umas frases (leia-se substituir umas palavras por outras mais na moda a quererem dizer o mesmo). Depois vieram outras pequenas "pré-reformas" à medida que fui sentindo quase só gratificante e não deitado para a gaveta o Eu com os meus alunos, a minha sala de aula. (Sempre foi minha opção de vida não persistir em coisas inúteis, excepto nas inutilidades nos meus tempos livres, deixadas de serem inutilidades se me descontraem ou me dão prazer).

Que sentido podem ter memórias dessas coisas a que chamei maravilhosas para quem, no tempo para um cargo pedagógico, é obrigado a passá-lo todo a preencher papeladas e registos, a enviar cartas com aviso de recepção para ficar a prova de que foram convocados os pais que nunca apareceram, etc., etc., etc.?

Que sentido podem ter memórias daquela velha defesa quase militante (muitos já hoje reformados) de diferentes métodos e estratégias para o ensino-aprendizagem da Matemática, para desenvolver nos putos uma relação desafiante e autónoma com essa disciplina, para quem (incluindo-me a mim) se vê não só num sistema degradado por um percurso de disparates e prioridades hipócritas de sucessivos ministérios da educação, não só, para mais, numa sociedade que cada vez menos educa as suas crianças para o hábito de trabalhar, pensar, fazer esforço, mas também se vê por fim responsabilizado por um sistema em que, se algumas responsabilidades tem, é o menos responsável de todos (e até impede esse sistema de ainda mais degradado estar) - em suma, se vê por fim desrespeitado e desprestigiado para que outros se protejam disso?

Que sentido?
______________________________

(...)
Que a morte de tudo em que acredito
não me tape os ouvidos e a boca
pois metade de mim é o que eu grito
a outra metade é silêncio.
(...)
Que a minha vontade de ir embora
se transforme na calma e paz que mereço
que a tensão que me corrói por dentro
seja um dia recompensada
porque metade de mim é o que penso
a outra metade um vulcão.

Que o medo da solidão se afaste
e o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável
que o espelho reflicta meu rosto num doce sorriso
que me lembro ter dado na infância
pois metade de mim é a lembrança do que fui
a outra metade não sei.

Que não seja preciso mais do que uma simples alegria
para me fazer aquietar o espírito
e que o seu silêncio me fale cada vez mais
pois metade de mim é abrigo
a outra metade é cansaço.
(...)
Que a minha loucura seja perdoada
pois metade de mim é amor
e a outra metade também.

Oswaldo Montenegro, Metade

6 comentários:

Lumife disse...

Desejos de um bom fim de semana e o convite para uma visita ao blog "SABIA QUE ...? no endereço http://saberebom.blogspot.com que abre hoje as suas portas com informações úteis para todos.
O "post" de abertura é sobre a DIETA MEDITERRÂNICA.
Lá vos aguardo.

Abraços.

IC disse...

Lumife, obrigada, já visitei, bom fim de semana também e boa continuação do novo blog! :)

TsiWari disse...

A tantos sítios nos pode conduzir um qualquer caminho, que se começou sem certezas algumas, a não ser esta vontade de sempre caminhar...

E gostei de ler o cantor brasileiro Oswaldo. Inspirado, desata feita.

Cumprimentos, saudações matemáticas.

IC disse...

Saudações matemáticas... uau!... tenho na blogosfera mais um colega desta disciplina "papão"?
Obrigada pela visita, tsiwari, saudações também.

TsiWari disse...

Obrigado pelos votos.

Professor, dos de terna vocação.

De Matemática, por eterna paixão.

Já aqui te falara, por causa dos manuais escolares.

Chegado duma reunião com o Sec deEstado, "maila" srª ministra.

Desapontado, ainda.

Continu(ar)ei a ler-te.

Saudações amistosas, matemáticas.

TsiWari

IC disse...

tsiwari:
Mais uma razão para te agradecer as visitas, não retive o nome mas lembro bem dessa de que falas a propósito dos manuais pois fiquei triste, dado que posso ter críticas (certas ou erradas) sobre as questões em geral mas não pessoalizadas - tenho amigos que são autores de manuais, até discutimos pontos de vista diferentes, só isso e pronto :))