domingo, dezembro 26, 2010

E porque é Inverno...

Kawase Hasui (1883 - 1957)








tada oreba oru tote yuki no furi ni keri

Apenas estando aqui,
Estou aqui.
E a neve cai.


Issa

O meu Natal

Foi feliz...
a Mãe gostou...
e o desvelo dos bisnetos... são lindos adolescentes assim...

segunda-feira, dezembro 20, 2010

Votos de Natal para os meus amigos

Um Natal com Alegria e um 2011 com muitas felicidades pessoais e familiares e melhor do que 2010 no que respeita às preocupações políticas e sociais, nomeadamente na Educação.

(Desculpem não pôr um post "enfeitado", mas é a primeira vez que não fiz uma grande árvore de Natal cá em casa (nem grande, nem pequena) devido à saúde muito débil da minha mãe, apenas iremos fazer-lhe companhia na sua casinha, tanto quanto o seu alheamento ainda pode apreciar)

terça-feira, novembro 16, 2010

De luto pela Escola Pública

Depois de 37 anos de dedicação à causa da Educação-Ensino-Aprendizagem, pergunto-me para que serviram tantas e tantas dedicações na minha geração e outras seguintes. Nenhum legado deixámos :-(
Só vejo um Tudo Para Recomeçar, com frutos não sei a que prazo, pois os estragos na Escola Pública foram demasiados e profundos.
Espero vir a ver a esperança. Mas, por agora, não sou capaz de escrever. Além de que (na minha opinião, claro), a blogosfera docente perde a oportunidade da força construtiva que poderia ter, salvo excepções que, por minoritárias, não chegam.

Assim, este bloguezito ficará abandonado até.........

segunda-feira, novembro 08, 2010

Momentos pensativos



Quando eu morrer, voltarei para buscar
os instantes que não vivi junto do mar

Sophia Andresen




                                                                                      Monet, 1888

sexta-feira, outubro 29, 2010

Tão actual... que desesperança!

Soneto quase inédito

Surge Janeiro frio e pardacento,
Descem da serra os lobos ao povoado;
Assentam-se os fantoches em São Bento
E o Decreto da fome é publicado.


Edita-se a novela do Orçamento;
Cresce a miséria ao povo amordaçado;
Mas os biltres do novo parlamento
Usufruem seis contos de ordenado.


E enquanto à fome o povo se estiola,
Certo santo pupilo de Loyola,
Mistura de judeu e de vilão,


Também faz o pequeno "sacrifício"
De trinta contos - só! - por seu ofício
Receber, a bem dele... e da nação.

JOSÉ RÉGIO - Soneto escrito em 1969

quinta-feira, outubro 21, 2010

Reportagem de um preconceito

Um artigo do MEC na revista Sábado, em Setembro de 2007. Não o li na altura, mas acabo de o receber no mail. Não resisto a deixá-lo AQUI.

quinta-feira, outubro 14, 2010

Mensagem aos aposentados

DESAPOSENTAR
(Domingos Pellegrini)


Ele chegou à praça com uma marreta. Endireitou a estaca de uma muda de árvore e firmou batendo com a marreta.
Amarrou a muda na estaca e se afastou como pra olhar uma obra de arte.
Não resisti a puxar conversa:
- O senhor é da prefeitura?
- Não, sou da Alice, faz quarenta e dois anos. Minha mulher.
- Ah... O senhor foi quem plantou essa muda?
- Não, foi a prefeitura. Uma árvore velha caiu, plantaram essa nova de qualquer jeito, mas eu adubei, botei essa estaca aí. Olha que beleza, já está toda enfolhada. De tardezinha eu venho regar.
- Então o senhor gosta de plantas.
- De plantas, de bicho, até de gente eu gosto, filho.
- Obrigado pela parte que me cabe...
Ele sorriu, tirou um tesourão da cinta e começou a podar um arbusto.
- O senhor é aposentado?
- Não, sou desaposentado. Foi podando e explicando:
- Quando me aposentei, já tinha visto muito colega aposentar e murchar, que nem árvore que você poda e rega com ácido de bateria... Sabia que tem comerciante que rega árvore com ácido de bateria pra matar, pra árvore não encobrir a fachada da loja? É... aí fica com a loja torrando no sol!
Picotou os galhos podados, formando um tapete de folhas em redor do arbusto.
- É bom pra terra... tudo que sai da terra deve voltar pra terra... Mas então, eu já tinha visto muito colega aposentar e murchar. Botando bermuda e chinelo e ficando em casa diante da televisão. Ou indo ao boteco pra beber cerveja, depois dormindo de tarde. Bundando e engordando... Até que acabaram com derrame ou infarto, de não fazer nada e ainda viver falando de doença.
Cortou umas flores, fez um ramalhete:
- Pra minha menina. A Alice. Ela é um ano mais velha que eu, mas fica uma menina quando levo flor. Ela também é desaposentada. Ajuda na escola da nossa neta, ensinando a merendeira a fazer doce com pouco açúcar e salgados com os restos dos legumes que antes eram jogados fora. E ajuda na creche também, no hospital. Ihh... A Alice vive ajudando todo mundo, por isso não precisa de ajuda, nem tem tempo de pensar em doença.
Amarrou o ramalhete com um ramo de grama, depositou com cuidado sobre um banco.
- Pra aguar as mudas eu tenho que trazer o balde com água lá de casa.
Fui à prefeitura pedir pra botarem uma torneira aqui. Disseram que não, senão o povo ia beber água e deixar vazando. Falei pra botarem uma torneira com grade e cadeado que eu cuidaria. Falaram que não. Eu teria que ficar com o cadeado e então ia ser uma torneira pública com controle particular, e não pode.
Sorriu, olhando a praça.
- Aí falei: então posso cuidar da praça, mas não posso cuidar de uma torneira? Perguntaram, veja só, perguntaram se tenho autorização pra cuidar da praça! Nem falei mais nada. Vim embora antes que me proibissem  de cuidar da praça... Ou antes que me fizessem preencher formulários em três vias com taxa e firma reconhecida, pra fazer o que faço aqui desde que desaposentei... Ta vendo aquele pinheiro fêmea ali? A Alice que plantou.
Só  tinha o pinheiro macho. Agora o macho vai polinizar a fêmea e ela vai dar  pinhões.
- Eu nem sabia que existe pinheiro macho e pinheiro fêmea.
- Eu também não sabia, filho. Ihh... aprendi tanta coisa cuidando dessa praça! Hoje conheço os cantos dos passarinhos, as épocas de floração de cada planta, e vejo a passagem das estações como se fosse um filme!
- Mas ela vai demorar pra dar pinhões, hein? - falei, olhando a pinheirinha ainda da nossa altura. Ele respondeu que não tinha pressa.
- Nossa neta é criança e eu já falei pra ela que é ela quem vai colher os pinhões. Sem a prefeitura saber... e a Alice falou que, de cada pinha que ela colher, deve plantar pelo menos um pinhão em algum lugar. Assim, no fim da vida, ela vai ter plantado um pinheiral espalhado por aí. Sem a prefeitura saber, é claro, senão podem criar um imposto pra quem planta árvores...
- É admirável ver alguém com tanta idade e tanta esperança!
Ele riu:
- Se é admirável eu não sei, filho, sei que é gostoso. E agora, com licença, que eu preciso pegar a Alice pra gente caminhar. Vida de desaposentado é assim: o dinheiro é curto, mas o dia pode ser comprido, se a gente não perder tempo!


Publicado na GAZETA DO POVO, de 22/05/05, Fortaleza-CE

domingo, outubro 10, 2010

Ontem faria anos...

Um sonho cada vez mais longíquo: Precisamos de Homens que sonhem ("Cada vez que um Homem sonha......"). Nunca é demais ouvir esta canção.

sexta-feira, outubro 08, 2010

Quando os problemas do presente fazem esquecer os problemas do futuro

Vivimos una situación de auténtica emergencia planetaria, marcada por toda una serie de graves problemas estrechamente relacionados: contaminación y degradación de los ecosistemas, cambio climático, agotamiento de recursos, crecimiento incontrolado de la población mundial, desequilibrios insostenibles, conflictos destructivos, pérdida de diversidad biológica y cultural... Es una situación que aparece asociada a comportamientos individuales y colectivos orientados a la búsqueda de beneficios particulares y a corto plazo, sin atender a sus consecuencias para los demás o para las futuras generaciones. (...)

Es este un reto que exige la incorporación de la educación para la sostenibilidad en el currículo de los diferentes niveles educativos y en la formación del profesorado
(...)

domingo, outubro 03, 2010

Edu Scratch

Ontem... ler aqui.

Tenho um enorme prazer em colaborar nesta equipa...


Apanhada pela reporter fotográfica...

sábado, setembro 25, 2010

Onde está escondida a Felicidade

Um dia, no princípio dos tempos, alguns demónios reuniram -se para fazer uma diabrura.
Um deles disse:
Estava a pensar que poderíamos tirar algo aos humanos, porém... O quê?”

Depois de muito pensar, um deles respondeu:
Já sei!, poderíamos tirar-lhes a felicidade...   Porém, claro, o problema será onde escondê-la,   para que não possam encontrá-la”.
Propôs o primeiro demónio: "Vamos escondê-la em cima do monte mais alto do mundo...!
...do que imediatamente discordou um outro:  o, lembra-te que eles têm força e vontade. Algum dia, alguém poderá subir e encontrá-la, e se um a encontra, pronto! Todos saberão onde está".
Logo propôs outro: "Então, vamos escondê-la no fundo do mar!”.
E outro contestou: "Não, lembra-te que eles têm curiosidade. Algum dia, alguém  construirá algum aparelho para poder baixar até o fundo e, então, encontra-la-á".
Um outro deles disse: "Escondamo-la num planeta longe da Terra!".
Disseram-lhe: "Não, lembra-te que eles têm inteligência. Um dia, alguém construirá uma nave para viajar para outros planetas e, então, descobri-la-ão".

Um dos demónios tinha permanecido em silêncio, escutando atentamente as propostas.
Então, disse: "Creio saber onde devemos colocá-la para que nunca a encontrem".
Todos o olharam e perguntaram ao mesmo tempo: “Onde?".
Escondamo-la DENTRO deles mesmos... Estarão tão ocupados a procurá-la fora que nunca a encontrarão".

Todos ficaram de acordo e, desde então, sempre tem sido assim.

Autor desconhedido

segunda-feira, setembro 20, 2010

domingo, setembro 19, 2010

E porque hoje é domingo... um pensamento

Já se disse que as grandes ideias vêm ao mundo mansamente, como pombas. Talvez, então, se ouvirmos com atenção, escutaremos, em meio ao estrépito de impérios e nações, um discreto bater de asas, o suave acordar da vida e da esperança.
Alguns dirão que tal esperança jaz numa nação; outros, num homem. Eu creio, ao contrário, que ela é despertada, revivificada, alimentada por milhões de indivíduos solitários, cujos actos e trabalho, diariamente, negam as fronteiras e as implicações mais cruas da história.
Como resultado, brilha por um breve momento a verdade, sempre ameaçada, de que cada e todo homem, sobre a base de seus próprios sofrimentos e alegrias, constrói para todos.

Albert Camus

(Citação "roubada" a Rubem Alves)


Fernando Reis

sábado, setembro 11, 2010

Neste blogue que ninguém lê...

Deixo mais abaixo uma homenagem para os professores (e são muitos) que continuam dedicados aos seus alunos fazendo deles a sua grande prioridade profissional, considerando que o seu papel primordial é na sala de aula investindo em métodos e estratégias estimulantes, motivadores e geradores, tanto quanto possível, de real sucesso para todos, ao mesmo tempo que assim contribuem também para minorar a indisciplina.

Entretanto, o título deste post não é inocente. Não é o meu blogue que me importa, mas já me importa a blogosfera docente, a qual poderia ter um importante papel de cooperação, partilha e enriquecimento. Salvaguardando excepções, poucas mas fantásticas, a sala de aula pouco parece existir. Contudo, é na sala de aula que os professores podem ser decisivos para a Educação e a Aprendizagem, para a Formação e o Futuro das crianças e jovens. Até porque a classe docente pode falar muito da política educativa perniciosa para o sucesso escolar dos alunos da Escola Pública, mas, sendo dificilmente mobilizável para a luta, ainda o é menos para a luta contra as condições degradadas e contra as medidas directamente lesivas dos alunos, ou pela reivindicação de medidas que verdadeiramente (e não falsa e demagogicamente motivada pelo economicismo e pela apresentação de estatísticas enganadoras) contribuam para uma formação de qualidade e para um sucesso real dos mesmos.

Para todos os professores/educadores a que me referi no início:

A Flower for the Teacher


Winslow Homer, A Flower for the Teacher

quarta-feira, setembro 08, 2010

Não sei se espero, mas desejo que poucos professores pensem assim...

Acabo de ler um comentário num blogue. Nada interessa qual o blogue e nadinha interessa quem fez o comentário. Porque este será irrelevante se for isolado. O que me pergunto é se há significativo número de professores que o subscreveriam. Desejo que não - caso contrário, ficaria desesperada.

"... aponta para um ensino diferenciado. Muito difícil, senhor professor, com turmas numerosas e outras variantes que tão bem conhecemos. Não vale a pena ir por aí, infelizmente." (Acentuado meu)

Tive imensas turmas numerosas, toda a vida fiz "ensino diferenciado" e não tive nenhum esgotamento nem nada que se pareça.

Mas esclareçamos o que é e o que não é (ou não tem que ser) 'ensino diferenciado'. E até começo por dizer o que, de facto, tornaria impossível que o fosse. Impossível seria se se ensinasse para toda a turma com se todos os alunos fossem um só - o aluno médio - a quem se expõe matéria na maior parte do tempo. Mas deixemos essa impossibilidade porque não acredito que haja algum professor que (ainda) proceda assim.

Ensino diferenciado não é ensino individual nem tem que ser ensino individualizado.

Ensino diferenciado começa pela noção (que todos têm - não duvido) de que os alunos não são iguais e, portanto, precisam de tratamentos diferentes. «Enquanto não lidarmos conscientemente com as diferenças de que os alunos são portadores, tal como com as suas semelhanças, temos tudo a perder.» (Tomlinson e Allan, 2002:8)
"Diferenciar é não dedicar a todos a mesma atenção, o mesmo tempo, a mesma energia.» (Perrenoud, 2001:44) - ainda que de modo variável, consoante as necessidades dos alunos em cada momento, acrescento eu.
Diferenciar é planificar algumas aulas ou uma parte das mesmas de modo a que, enquanto uns alunos realizam trabalho autónomo, o professor se detém mais junto de outros (ou de um grupo) a quem são dadas propostas de trabalho ou tarefas adequadas, por exemplo, a recuperação em lacunas ou à ultrapassagem de dificuldades.
Diferenciar é também, por estranho que pareça, usar métodos cooperativos com grupos heterogéneos, o que gera a ajuda e a entre-ajuda.

Condições necessárias para ensino diferenciado: Aulas activas, centradas nos alunos, e movimentação do professor na sala de aula.

Nota: Antes de me acusarem disso de "eduquês", corrijam os disparates que se dizem e escrevem por cá sobre o significado de "ensino centrado no aluno".

Il silenzio

segunda-feira, setembro 06, 2010

TIC... mais TIC... e mais TIC no ensino

Nota prévia
O que se segue é escrito com absoluta isenção, pois fui pioneira, na minha ex-escola, na 'introdução do computador na sala de aula', no tempo em que os alunos não tinham "magalhães" e só tinha uma sala com os primeiros computadores que a escola conseguiu - sala para onde apenas eu levava as minhas turmas, sem problema de não estar vaga.
_____________________
Perdi-me com tantos "reajustamentos" no modelo da ADD, pelo que não sei bem se o uso das TIC ainda conta para a pontuação na avaliação dos professores, mas suponho que ainda conta.
Ora, um método de ensino não vale por si só, vale pelo que o professor fizer com ele. Não há padrões, muito menos um padrão único. O que me parece essencial é que o ensino-aprendizagem assente num método verdadeiramente activo, de modo a conduzir os alunos, sempre que possível, à (re)descoberta, e à construção da sua relação com o(s) saber(es). E seria um erro, a meu ver, que o professor, ao interiorizar isto, se forçasse a pôr em prática modelos/métodos que não sejam já significativos para si. Das teorias e dos artigos fundamentados que não faltam, o professor recolhe novas perspectivas, e o que delas fica nele é o que pessoalmente (re)constrói no alargamento e aprofundamento da sua prática, não na demolição de tudo o que já construiu no seu modo de ensinar.

Isto leva-me à questão da formação (sem dúvida urgente) dos professores no uso das novas tecnologias. É verdade que, actualmente, não estou a par do modo como essa formação decorre e de quem a dá. Mas lembro-me que, quando essa formação começou nos centros de formação, no âmbito da formação contínua obrigatória para obtenção dos créditos então indispensáveis para mudança de escalão, quem escolhia uma acção relacionada com as ditas TIC recebia uma formação meramente técnica, sem ligação à Pedagogia (apesar de o formador ser professor).
Claro que os professores têm que aprender os aspectos técnicos do uso de recursos informáticos - se não os souberem, caso que até já pouco sucederá com as novas gerações de docentes. Mas a formação tem que ser dada por pedagogos, por professores abertos à inovação e conscientes de que o uso de recursos informáticos nas aulas em nada melhora as aprendizagens dos alunos se esses recursos forem usados na manutenção de um ensino tradicional, expositivo, em que os alunos não são chamados a construir, a criar, a serem agentes activos.
E é para isto que o formador tem que estar apto a sensibilizar os formandos e a dar-lhes perspectivas de recursos diversos a fim de que cada um possa sentir apelo e motivação de acordo com a sua apetência, de acordo com o que seja mais significativo para si próprio, de modo a sentir-se atraído pela inovação ou pelo desejo/necessidade de mudança face a eventuais (ainda há muitos - demasiados) métodos retrógados anquilosados.

A finalizar, deixo o pedido a quem eventualmente me leia e esteja informado, de me esclarecer: Estão a ser assim, generalizadamente, as formações dos professores no uso das TIC? (Digo generalizadamente porque não duvido de que há formadores nessa área - e até conheço dois ou três - que é nessa perspectiva de real mudança que se esforçam por sensibilizar os seus formandos).

Pensamento



Le courage, c'est de chercher la vérité et de la dire

Jean Jaurès (1859-1914)



Com o agradecimento à Amélia Pais



Emílio Merlina (2007). Truth

sábado, setembro 04, 2010

Não há receitas, mas certos ingredientes ajudam...

Não há receitas para socializar e melhorar os comportamentos dos alunos problemáticos, mas há ingredientes importantes a usar.
Foi há uns anos. Algumas turmas preparavam, sob a orientação dos directores de turma ou de outros professores, uma festividade para o último dia do 2º Período Lectivo. Ia haver uma peça de teatro, exposição de trabalhos e outras iniciativas, e a festa ia prolongar-se para a noite pois os pais estavam convidados.
Na aula da Ana um dos alunos mais problemáticos da escola lembrou que era preciso uma boa vigilância para não haver desacatos e tudo correr bem. E a Ana veio logo ter comigo, não só para me contar de quem tinha vindo aquela "preocupação", mas também já com uma ideia na cabeça (éramos almas gémeas nestas coisas). Fomos ao então chamado Conselho Directivo pedir autorização para levarmos à prática a ideia que eu logo tinha perfilhado.
Eram conhecidos os alunos mais "cadastrados" da escola e nós já tivéramos algum contacto com eles, mesmo não sendo nossos alunos. Escolhemos os mais velhos para os convocar para uma pequena reunião connosco e o pretexto/justificação foi o de serem os mais crescidos, portanto os mais aptos para a missão que pretendíamos (nessa altura ainda só tínhamos 2º Ciclo na escola e, por terem todos repetências, tinham já 15-16 anos). Perguntámos se poderíamos contar com eles para colaborar na vigilância e também para estarem atentos e irem em socorro de algum dos pequenotes que tinha tarefa na festa e se visse atrapalhado nessa tarefa. Propusemos que tivessem uma braçadeira a identificar a sua missão.
Disseram que sim e que podíamos ficar descansadas, ao que respondemos que se não confiássemos que podíamos ficar descansadas desde que se comprometiam, não lhes tínhamos pedido essa ajuda.
Estávamos a usar uma táctica, sim, mas isso é irrelevante. O importante é que estávamos a ser sinceras, acreditámos neles (e "eles" sentem isso).
Correu muito bem (para espanto dos adultos). Foram impecáveis na sua responsabilidade e não se "armaram" em mandões.
(Claro que a Ana e eu estávamos, de longe, atentas a eles, mas... foi mais um daqueles casos em que, apesar de sinceras boas expectativas, "eles" as ultrapassam)

ADENDA
No início do ano lectivo seguinte propusemos que fossem escolhidos alunos dos mais velhinhos, incluindo os "problemáticos", para, rotativamente, ajudarem na vigilância e sobretudo no apoio aos pequenotes recém-chegados, mas a nossa proposta apenas foi considerada "gira" pelo Conselho de Directores de Turma, sendo, no entanto, rejeitada por qualquer coisa como complicada ou utópica (já não me lembro bem)
E dispenso-me de comentar esta adenda.

homens artificiais cheirando rosas de plástico

Soneto na morte do homem que inventou as rosas de plástico

O homem que inventou as rosas de plástico morreu.
Reparem na sua importância:
as suas flores imperecíveis e imaculadas nunca murcham
mas resolutamente velam o seu túmulo através da escuridão.
Ele não compreendeu a beleza nem as flores,
que enredam os nossos corações em redes suaves como o céu
e nos prendem com um fio de horas efémeras:
as flores são belas porque morrem.
A beleza sem o seu lado perecível
torna-se seca e estéril, um palco abandonado
com uma floresta de enganos. Mas a realidade
dá razão à invenção deste homem; ele conhecia a sua época:
uma visão do nosso tempo impiedoso revela-nos
homens artificiais cheirando rosas de plástico.

Peter Meinke


(Via Amélia Pais)

sexta-feira, setembro 03, 2010

A preocupação...

Foi há mais de três anos. À mesa de jantar familiar, conversávamos na brincadeira com o meu neto (então no 8º ano) sobre a adolescência. Às tantas, veio a propósito, perguntei-lhe: _Qual é a tua maior preocupação? Resposta quase imediata: _ Não adormecer numa aula.

Risos, ao mesmo tempo perplexos.

_Não estou a brincar, é verdade. Tenho aulas em que faço um esforço tão grande para manter os olhos abertos e, mesmo assim, de vez em quando fecham-se. E se eu adormeço mesmo, com todos a verem?


Por motivo de morada, já fez o 9º ano noutra escola, onde permanece, agora prestes a começar o 12º. Felizmente (ou sorte)... não voltou a ter tal preocupação.


Razão daquela? Ele mesmo explicou: _Nalgumas disciplinas os professores e professoras falam todo o tempo. Eu ainda perguntei: _E não vos fazem participar, não vos vão fazendo perguntas? Resposta: _Só às vezes.


Eu e a mãe preferimos mudar de conversa. Também não a vou continuar aqui, mas os amigos que me lerem podem contar, na sala de professores, esta história da grande preocupação de um adolescente num ano lectivo. Porque a verdade é para dizer: Ainda há quem passe boa parte das aulas a expor para uma turma passiva. Ou talvez não tão passiva assim, pois os alunos em geral não adormecem; resolvem a questão conversando indisciplinadamente uns com os outros. São uns indisciplinados!!!


ADENDA

Antoine de La Garanderie, num livro de que não lembro o nome, punha na boca dos alunos estas palavras: "Professor, não nos diga para estarmos atentos, diga-nos antes como devemos fazer para estarmos atentos". Parafraseando La Garanderie, eu diria: Professor, não nos diga para estarmos atentos, venha antes às nossas mesas guiar as nossas actividades.

(Com muitas saudades)

quinta-feira, setembro 02, 2010

(Re)Acordar o Educador para um ano escolar diferente


Professores, há aos milhares. Mas professor é profissão, não é algo que se define por dentro, por amor.
Educador, ao contrário, não é profissão; é vocação. E toda vocação nasce de um grande amor, de uma grande esperança.


De educadores para professores realizamos o salto de pessoa para funções.

Eu me atrevo a dizer que o fantasma que nos assusta e que nos causa pesadelos mesmo antes de adormecer, o fantasma que nos faz contar, apressados, os anos que ainda nos faltam para a aposentadoria, é a absoluta falta de amor e paixão, o absoluto enfado das rotinas da vida do professor.
São causas como esta, a aposentadoria do professor, que nos mobilizam. Não me entendam mal. Não vai aqui uma crítica. Vai apenas uma constatação: como deve ser sem sentido a vida de alguém que, após vinte e cinco anos, se sente exaurido!

Por que nos esquecemos dos nossos sonhos? Que ato de feitiço fez adormecer o educador que vivia em nós? Aqui é fácil encontrar explicações apontando para os donos do poder: foram eles que nos castraram. Tenho, entretanto, a suspeita de que esta não é toda a estória a ser contada. Pergunto-me se nós mesmos não preparamos o caminho. Quando os ferros em brasa nos marcaram, não é verdade que já éramos bois de carro?

A um discurso que não é uma expressão de amor falta o poder mágico de acordar os que dormem, falta o poder mágico para criar.
E eu pensaria que o acordar mágico do educador tem então de passar por um ato de regeneração do nosso discurso, o que sem dúvida exige fé e coragem.

Talvez que um professor seja um funcionário das instituições que gerenciam lagoas e charcos, especialista em reprodução, peça num aparelho ideológico de Estado. Um educador, ao contrário, é um fundador de mundos, mediador de esperanças, pastor de projetos.

Não sei como preparar o educador. Talvez que isto não seja nem necessário, nem possível... É necessário acordá-lo.
E aí aprenderemos que educadores não se extinguiram.

Excertos de texto de Rubem Alves em Conversas com quem gosta de ensinar.

quarta-feira, setembro 01, 2010

Regresso

Início de novo ano escolar... Decidi retomar o meu blogue como (ex)professora/educadora.

É pouco provável que retome memórias, e talvez raramente aborde a política educativa pois é pouco previsível que ela deixe de ser um deserto em cujos "oásis", aqui e ali , só brotam ervas daninhas.

São as salas de aula que me interessam, pois elas têm muito poder (para o bem ou para o mal), e é nos alunos que continuo a pensar - e com muitas saudades.
Os tempos são outros, os alunos são outros, os pais são outros, os professores são outros e também os recursos são outros - estes muitos mais do que no meu tempo de prof. . Mas estou convicta de que as minhas ideias essenciais não se desactualizaram. Outros as expressam melhor do que eu, pelo que prevejo deixar mais mensagens escritas por outrem do que por mim própria. Ideias, mensagens, propostas, alertas... enfim, elementos insistentes de reflexão para quem me visite - raros decerto, mas cada um tenta dar o seu grãozinho de voz e... são precisas tantas vozes! Mesmo que a minha não chegue a alguém, passei a vida profissional sem me calar... agora tenho-me sentido mal a andar tão calada neste cantinho.

segunda-feira, agosto 30, 2010

Convite para um chá


Aqui o meu cantinho vai reabrir a 1 de Setembro, mas faço pré-abertura para agradecer ao Raul Martins o convite caloroso.



Seguindo as regras do jogo:


1. Referir quem ofereceu o selo



2. Qual o teu chá preferido

Chá Preto

3. Quantas colheres de açucar costumas usar?

Ao contrário do café, em que não uso açucar, gosto do chá muito docinho


4. Passar o selo a seis pessoas.


Passo a:






Nota: Não se sintam obrigados a continuar a cadeia.

domingo, julho 25, 2010

Boas Férias!


Boas férias para todos os amigos e colegas!





(Eu tenho que ficar por aqui, mas o meu blogue quer férias...)

sexta-feira, julho 23, 2010

Um poema no momento da reunião dos países da CPLP

Com o agradecimento à Amélia Pais.


A vigilia do pescador



Na praia o vulto do pescador

É mais denso que a noite...


E enquanto espera

A sua ânsia solidifica em concha

E sonoriza os ventos livres do mar.


E enquanto espera

A sua ânsia descobre

os passos da maré na praia

e o sono do borco das canoas.


É manhã

e o pescador

ainda espera


e enquanto o mar

Não lhe devolve o seu corpo de sonhos

Num lençol branco de escamas


Um torpor de baixa-mar

Denuncia algas nos seus ombros.



Arnaldo Santos (Poeta angolano)

terça-feira, julho 20, 2010

Já não podemos dizer "venha o diabo escolher"

Acusámos Sócrates, no seu primeiro mandato (eu acusei), de tendências, seguidismos ou sujeições ao neoliberalismo. Com razão, mas hoje (neste preciso dia) isso parece-me tão relegado para plano secundário!

Não sei se posso falar do PSD globalmente, mas pelo menos o seu líder (por esse partido escolhido) hoje revelou-se ideologicamente de forma clara.

Fico-me por estas palavras pois não creio que haja razão para susto dado que não acredito que se permita a destruição da nossa Constituição e a mudança do regime saído do nosso 25 de Abril. Só quis salientar a verdadeira face ideológica do actual líder do PSD.

Um belo poema

De Konstantin Simonove (Rússia, 1915-1979)

Pps recebido da Amélia Pais e convertido em vídeo.
(A canção não ficou bem coordenada com a letra (tradução) em legendas, mas nestas lê-se todo o poema)

segunda-feira, julho 19, 2010

Pour Lionore

Je t'ai enseigné le mot "saudade".

Tu es parti aujourd'hui et tu déjà me manques beaucoup - j'ai déjà beaucoup de "saudades" de toi.

La dernière photo de ces vacances magnifiques...

domingo, julho 18, 2010

quinta-feira, julho 15, 2010

domingo, julho 11, 2010

Crianças de línguas diferentes recorrem às novas tecnologias :)

Na foto abaixo, Lionore e Inês. Antes, tinham passado uma hora a conversar na casa da Inês. Como??? Ora! Com rapidez, dedos nas teclas, seta para cima, seta para baixo no tradutor do Google. (Pena não ter tirado foto, mas eu estava em casa da minha mãe com o médico, cheguei a ver mas o jantar já ia para a mesa, não me lembrei a tempo. Mas ainda terei várias oportunidades)


Bisneta constrói desenho para bisavó...

sábado, julho 10, 2010

sexta-feira, julho 09, 2010

Je suis en vacances

Desculpem, mas o título saiu-me assim. Pela primeira vez a minha mais mini veio sozinha (entregue à hospedeira, claro) e continua a não querer aprender português. É bilingue, mas em francês e alemão. Mas como a prima Inês não fala francês, estou apostada em não servir só de intérprete, mas sim a falar com ambas sempre nas duas línguas ao mesmo tempo. Dez dias não dá para muito, mas hoje já ficaram cada uma a dizer umas coisinhas na língua da outra. Quando estou só com a Lionore é que não forço o português, pois as avós são para dar miminhos, não para chatear :))


Hoje, dia da chegada

sexta-feira, julho 02, 2010

Pesadelo

Tenho estado, ultimamente, silenciosa sobre a política educativa. Mas eu conheci bem alguns efeitos já então nefastos da criação dos agrupamentos de escolas do Ensino Básico.
O projecto actual da criação dos mega-agrupamentos parece um pesadelo. Parece... Não, é mesmo um pesadelo, nomeadamente para quem dedicou tanto da sua vida à Escola Pública.
Desiludida, muito triste perante o que será uma certidão de óbito para a Escola Pública, ou, pelo menos, uma passagem desta a estado de moribunda cujo tempo de reanimação será imprevisível, de tão longo, nem consigo escrever. Remeto os eventuais leitores para os tristes alertas do JMA, linkando apenas dois deles para quem preferir textos curtinhos: "Mega-agrupamento - Declarações de Óbito?", "Megas e a dinâmica do caos"

terça-feira, junho 29, 2010

Um Feliz Dia de Aniversário

No seu 97º aniversário, dedico a minha Mãe, com muito amor, esta tentativa de recordar e representar (para lhe mostrar no Note Book) os belíssimos napperons que me ofereceu feitos por si em renda de bilros e também em complicado e fantástico trabalho com cinco agulhas.

Scratch Project

(Clicar na imagem)

sexta-feira, junho 18, 2010

A sua obra ficará para sempre

Todo o dia ausente por motivos de assistência familiar, só soube às 23h. Fiquei sem palavras.

O velho homem que nunca tinha deixado de sonhar

A floresta de lata



Era uma vez um lugar amplo, varrido pelo vento, perto de nenhures e quase esquecido, que estava cheio de coisas que ninguém queria.
Mesmo no centro desse lugar, e exposta ao mau tempo, encontrava-se uma pequena casa, de janelas igualmente pequenas, com vista para o lixo que outros haviam feito.
Nessa casa vivia um velho.
Todos os dias, o homem tentava livrar-se do lixo, apartando e escolhendo, queimando e enterrando.
E, todas as noites, o homem sonhava.
Sonhava que vivia numa floresta cheia de animais selvagens, na qual havia aves coloridas, árvores tropicais, flores exóticas, tucanos, rãs-de-árvore e tigres.
Contudo, sempre que acordava, o mundo que via continuava igual.
Certo dia, algo chamou-lhe a atenção e uma ideia ganhou forma na sua cabeça.
Uma ideia que ganhou raízes e germinou.
Que ganhou folhas, alimentando-se do lixo.
Que ganhou ramos.
Cada vez maiores.
Então, uma floresta inteira emergiu das mãos daquele homem.
Uma floresta feita de lixo. Uma floresta feita de lata. Não era a floresta dos seus sonhos, mas era, ainda assim, uma floresta.
Um dia, o vento trouxe consigo um pequeno pássaro para a planície deserta. O homem deitou no chão algumas migalhas que o pássaro logo comeu, empoleirando-se depois no ramo de uma árvore de lata. No dia seguinte, a ave partiu, e o velho ficou sozinho a deambular pelo silêncio, com o coração a doer de vazio.
Nessa mesma noite, ao luar, o homem formulou um desejo…
No dia seguinte, acordou com o canto de pássaros. O seu visitante tinha voltado e trazia consigo um companheiro. Nos bicos, transportavam sementes, que largaram no solo árido. Em breve, havia rebentos por toda a terra.
O canto dos pássaros misturou-se com o zumbido dos insectos e o rumorejar da folhagem.
O tempo foi passando.
E foram surgindo pequenos animais, a rastejar por entre a floresta de árvores. Apareceram animais selvagens, que deslizavam por entre as sombras verdes.
Era uma vez uma floresta, perto de nenhures e quase esquecida, que agora estava cheia de coisas que todos queriam.
No meio dela, havia uma pequena casa, de janelas igualmente pequenas. Nessa casa, vivia um velho homem que nunca tinha deixado de sonhar…


Helen Ward; Wayne Anderson
Via Clube das Histórias

domingo, junho 13, 2010

Com a Matemática, em busca da arte

Continuo com o Scratch. Voltei um pouco atrás para recomeçar com a auto-semelhança (o todo igual a qualquer das partes, como numa couve-flor), que é condição necessária mas não suficiente para conseguir um fractal...

Scratch Project

Clicar para ver o projecto correr

domingo, junho 06, 2010

...

Desolação


Nas linhas das palmas das tuas mãos
foi escrito o destino do sol

Nasce,
ergue a tua mão -

a longa noite está a sufocar-me.


Cabul, Junho 1994
Partaw Naderi

Via Amélia Pais

sábado, junho 05, 2010

quarta-feira, junho 02, 2010

Porque sinto o crepúsculo no meu país...

... hoje deixo um poema.


Sinto o crepúsculo nas minhas mãos


Sinto o crepúsculo nas minhas mãos. Chega através do loureiro doente. Não quero pensar, nem ser amado, nem ser feliz, nem recordar.

Só quero sentir esta luz nas minhas mãos

e desconhecer todos os rostos e que as canções deixem de pesar no meu coração

e que os pássaros passem diante dos meus olhos e eu não note que se foram.


Antonio Gamoneda
Tradução: Jorge Melícias
Via Amélia Pais

sábado, maio 22, 2010

Scratch Day - Setúbal (II)

"Reportagem" fotográfica II - legendada. (Amanhã ou depois virá a última e mais completa, em slide show)


Todos conhecemos... A grande impulsionadora e dinamizadora, em Portugal,
do uso de uma extraordinária ferramenta pedagógica


O incansável e imprescindível Fred



Fita da cartão azul: identificação de monitora
Aluna ensina professores




Pais/mães e filhos




Pais... mães... professores...





;)

Scratch Day - Setúbal (I)

Não resisto a começar a "reportagem" fotográfica por esta foto.


Um pequenote - pequenotinho mesmo - acompanhou a curta exposição de iniciação ao funcionamento do Scratch fazendo no seu computador o que estava a ser explicado. Ei-lo na sessão de trabalho que se seguiu, sem precisar de monitor a ensinar... (Não são precisas mais palavras, a foto fala por si)

No ecrã já pôs um cenário e personagens jogando com uma bola em movimento

quinta-feira, maio 13, 2010

E se estudassem o que é o Construtivismo?

Num artigo de uma revista brasileira (veja.com), deparei-me, a dada altura, com...


“À luz das versões tropicais do construtivismo, essa deficiência é até uma vantagem, pois, afinal, cabe aos próprios alunos definir com base em sua realidade o que querem aprender.” (destaque meu)


O construtivismo não tem culpa das disparatadas e cretinas ilações como a citada.

Piaget não foi pedagogo, mas não deixou de escrever alguns textos para os professores. Se estes nunca os leram, nem sequer sabem o que é construtivismo... é lamentável. Tal como é lamentável que figuras públicas cá da nossa Praça também não saibam, incluindo uma que escreveu livrinho muito publicitado e vendido onde revela grande confusão entre aquele conceito e umas "modernices" acerca dele sem qualquer credibilidade na comunidade científica da área.


Não me admira, pois, que o artigo acima citado também informe:

"De acordo com a mais completa compilação de estudos já feita sobre o tema, consolidada pelo departamento de educação americano, os estudantes submetidos a esse método de alfabetização têm-se saído pior do que os que são ensinados pelo sistema tradicional. Foi com base em tal constatação que a Inglaterra, a França e os Estados Unidos abandonaram de vez o construtivismo nessa etapa."


(In revista citada)

Agora consegui :)



Pelo menos esse desenho é mesmo um fractal...















No projecto:


Scratch Project

Clicar

quinta-feira, maio 06, 2010

segunda-feira, abril 26, 2010

Comemorado o 25 de Abril...


Comemoradas a revolução e a esperança do 25 de Abril de 1974, uma Prece...

PRECE


Senhor, a noite veio e a alma é vil.

Tanta foi a tormenta e a vontade!

Restam-nos hoje, no silêncio hostil,

O mar universal e a saudade.


Mas a chama, que a vida em nós criou,

Se ainda há vida ainda não é finda.

O frio morto em cinzas a ocultou:

A mão do vento pode erguê-la ainda.


Dá o sopro, a aragem - ou desgraça ou ânsia -,      Vieira da Silva

Com que a chama do esforço se remoça,

E outra vez conquistemos a Distância -

Do mar ou outra, mas que seja nossa!


Fernando Pessoa


Com o agradecimento à Amélia Pais