quarta-feira, março 22, 2006

Blogue em intermitência

Eu andava a querer repensar os conteúdos deste cantinho e a própria razão dele, mas não há dúvida de que não estou no momento adequado para isso - nem sei se vou ter tempo para escrever "mais do mesmo", quanto mais para pensar em novos rumos de escrita!!
Os afazeres profissionais são os do costume, mas os outros é que vão estar acrescidos durante um tempinho. Alguns até são domésticos (costumo reduzi-los ao mínimo, excepto em circunstâncias especiais, temporárias, como a que se avizinha), mas outros têm a ver quer com coisas pendentes, quer com as que têm que começar a sair da lista das adiadas.
Nas pendentes, estão as que ando a precisar de procurar ou programar (ou inventar), pois uma avó tem um papel importante, e eu quero tê-lo, e a minha casa não tem um sótão, nem arcas misteriosas, como tinham, respectivamente, as casas das minhas avós. Nas adiadas, está, por exemplo, a transposição para a net, de uma forma mais cuidada, do Lógica para todos da minha sala de aula.
E isto de uma página na net traz-me logo a perspectiva de outra tarefa que não vou recomeçar agora, mas que já retirei das que tinha colocado na categoria "acabou, é tempo de me reformar disto".
A tal página, que iniciei há um ano e nunca mais peguei, talvez possa prosseguir sem mais (para as duas antigas, de Mat para alunos, que ainda andam lá pela web, nem quero olhar - quem aguenta páginas que, no ritmo acelerado de novas técnicas, ao fim de três ou quatro anos já parecem de outra era?). O que não dá para prosseguir sem mais é outra coisa que destaco a seguir.

O recuo na decisão de me reformar de aprendizagens "técnicas" feitas todas quase sózinha desde que tive o primeiro computador, só com umas dicas de vez em quando de amigos, ou seja, de me reformar de tentativas, experiências, pesquisas durante horas e horas quando umas curtas sessões rapidamente dariam o "pontapé de saída" poupando grande parte dessas horas todas, esse recuo, dizia, deve-se a que as ditas sessões não estão à mão e... não me importo nada que o neto já me ensine umas coisas, o que não quero é trair a incumbência que recebi ainda ele não teria quatro anos de me encarregar da sua "formação informática" - não quero perder oportunidades de o interessar por outras que o façam descobrir no pc bem mais do que entretenimento e pesquisa de alguma informação. [Será que os computadores nas escolas já foram percebidos como instrumentos estimulantes da criatividade e propícios a que se "solte" a que alguns alunos, ou muitos, até têm escondida em si sem dela se aperceberem? Sem dela se aperceberem eles e professores, porque há alunos que já entram nas aulas com uma prévia recusa delas] Perder essas oportunidades que, com jeitinho, até fazemos surgir, perdê-las porque, mesmo com 13 ou 14 anos, eles já sabem dizer que "agora já se fazem coisas mais giras"... ná, a avó não quer passar à categoria de retrógada!!! (mesmo que também tenha que alinhar de vez em quando em maluquices horríveis dos entretenimentos deles, para se mostrar "actualizada")

Estar este cantinho em intermitência não quer dizer que eu prescinda das voltinhas por outros cantinhos. Neste, é que não sei se é de dizer até já, ou até para a semana, ou até conseguir pôr organização no meu tempo (e na minha cabeça?).
O melhor é não dizer. Aliás, também preciso deste cantinho para quando me apetece falar comigo por intermédio de um poema que me responda, ou calar-me no silêncio em que, com seus pincéis, uma mão me deixou sons.

6 comentários:

3za disse...

De manhã o blogger estava com problemas e não consegui deixar sementinha... Queria só dizer que te entendo bem e que deves aproveitar o "teu" tempo ao sabor do mais apetecido e mais importante para a tua vida, em cada momento. O tempo é a única coisa que podemos tornar nossa...

Miguel Pinto disse...

é verdade, Teresa... o tempo e o pensamento :)

Rui disse...

Gostaria de ter largueza de alma e dizer que compreendo e aceito a tua decisão se for a de um afastamento. Mas não tenho, por isso digo-te, Isabel: se deixares de aqui escrever vou sentir a tua falta! Bj

IC disse...

Bem, Teresa, o tempo nem sempre podemos tornar nosso, olha só o pequeno exemplo de quanto dele perdemos quando temos que tratar de um papelito e nos mandam por montes de escadas e corredores diversos da burocracia! lol, estou a brincar (ou é o "trauma" da burocracia que instalaram nas escolas que me trouxe o exemplo, por associação de ideias... que coisa, não perco uma oportunidade de dar uma picadinha :) )
Mas o pensamento, isso sim, como diz o Miguel, até podemos fazer tudo o que é inútil ou perda de tempo a pensar noutra coisa, mas... há dias no blogue da Tit discutia-se a questão do que dá pensar muito... [riso]

Rui, obrigada :) Mas eu não tenciono deixar de aqui escrever definitivamente, a ausência ou intermitência de escrita refere-se a um tempinho para me organizar e, a seguir, também preciso de repensar sobre o que vou continuar a escrever (entretento, julgo que coisas soltas do quotidiano acabam por agitar os dedos no teclado, e tb espero que as férias da Páscoa rendam para tratar de coisas "pendentes" ou "adiadas")
Bj

Tit disse...

Os nossos cantinhos têm a vantagem de ser nossos e por isso de podermos fazer deles o que quisermos e fazê-los crescer quando/como quisermos... Como dizias no fim do post, também sinto um pouco (um muito?!) o blog como forma de falar comigo própria... e talvez até sirva, tal como os livros, do tal elixir da longevidade de que a 3za falava lá na teia ;)

Um bjnho e bom fim-de-semana!
Cá estarei a acompanhar as tuas "desintermitências" :)

AnaCristina disse...

Que a tua intermitência se defina... e que a avó faça o que entender melhor!
A minha avó é perita em atirar-me com uma frase simples e banal quando ando às voltas com um problema desabafado. E muitas vezes, depois de assassinar muitos neurónios, descubro que se tivesse seguido a banalidade da minha avó tudo tinha resulatdo melhor!

Um VIVA às avós do Mundo e às minhas velhotas!