sábado, junho 24, 2006

Para recordação de uma tarde com a Arte

Hoje fui à exposição temporária que está no Museu das Janelas Verdes (não se chama assim, mas é assim que aqui todos lhe chamamos) Se a Teresa Lopes não tivesse alertado, eu, distraída, era capaz de me não dar conta deste acontecimento aqui mesmo perto de mim.

Tive muito poucas oportunidades de ver originais dos Génios, ou dos Grandes, mas foram suficientes para não esquecer a emoção que então sentira ao estar diante de alguns. Não há comparação entre ver reproduções em livros sobre arte ou navegar por galerias da Net e estar diante de alguns originais.
Digo alguns, mesmo entre os que já vi, porque, embora saiba reconhecer a arte contida em tantas obras guardadas como património de vários séculos, uma coisa é reconhecer essa arte, outra é ela emocionar-me - as minhas atracções são subjectivas e, nem sequer sendo 'entendida', não tenho qualquer pretensão de as saber justificar.

Assim, por vezes percorro exposições sem me deter em todos os quadros expostos, e, no caso desta, como já sabia qual o conteúdo, depois de procurar El Greco na primeira sala, percorri as imediatas um tanto rapidamente, excepções feitas a alguns quadros, porque onde queria chegar depressa era à dos impressionistas (são gostos, atracções...).

Como recordação, coloco aqui três imagens. São só uma amostra daquelas pelas quais, no final, voltei atrás para, revendo-as, as manter nos olhos após sair.


Dois Monet, porque já tenho trazido Claude Monet para este cantinho, ao procurar algo que o meu estado de espírito, no momento, precisa, seja para se exprimir, seja para se libertar.




















Paul Signac, porque o seu "neo" estilo não estava nas minhas atracções especiais, pelo que foi uma surpresa ter ficado tanto tempo presa a este quadro (é a tal grande diferença entre o original perto dos olhos e o que aqui se vê)



E Pierre Bonnard, como bom finalizar da amostra porque gosto muito de janelas abertas.



2 comentários:

Arte por um Canudo 2 disse...

Eu diria mais..para mais tarde recordar.É muito diferente ver arte ao "vivo" ou por outros meios.Se fosse mais perto...Bom Domingo.

maria disse...

Também irei ver e até fica perto de casa. Tenho pena de não vir nada do Caravaggio por quem tenho uma grande pancada.