quarta-feira, maio 03, 2006

Não me apetece falar de escola...

... mas de que vou então falar neste cantinho de prof?

As aulas estão a funcionar bem (!!!). Manda a superstição popular que bata com os nós dos dedos aqui na madeira da mesa dizendo Diabo seja surdo, cego e mudo, não vá o diabo ouvir e amanhã ou depois eu levar outra vez as mãos à cabeça no fim da aula com alguma das minhas turmas...
Vão acontecendo episódios, uns gostosos, outros que dão para (re)interrogar , mas não é sensato fazer relatos indvidualizados do presente num espaço público, ainda que sejam favoráveis aos visados, que, mesmo sem nome, se identificam.
E, saindo da sala de aula para a escola em si (a minha e a geral), dela(s) não me apetece falar. Foi uma grande parte do ano lectivo aquela em o tema estava na cabeça e nos dedos, primeiro a comentar de impulso, depois a achar necessário aguardar para uma análise mais objectiva, lúcida e equilibrada da acção do ME e de tudo o que, directa ou indirectamente dela decorreu, depois ainda a deparar com meadas emaranhadas na cabeça e a agarrar pontas de novelos para tentar pensar direitinho, até que o terreno escola-sistema educativo me ficou irrespirável - necessidade de algodões nos ouvidos e óculos bem escuros, e, se calhar, dever passar a usar adesivo na boca para a fala não levantar pó. E, neste terreno actual, pôr memórias não faz, de momento, sentido, é perfeita inutilidade, ou é como falar de extraterrestres.
Se o Miguel Pinto não relança umas tertúlias, ainda fico muda.

7 comentários:

3za disse...

"mas de que vou então falar neste cantinho de prof?"
Suspeito que tens imensas histórias para contar... que nós gostaríamos de ouvir (com ou sem escola pelo meio).
E, não, muda não ficarás... Já percebi no cantinho do Miguel que não resististe à tertúlia (mais uma) e no meu que permaneces forte de convições e experiência que me serenam e ajudam a repensar receios e a olhar o trabalho por outros prismas. Aqui, ou onde for, "muda" nunca! Seria impossível! Bj

IC disse...

Teresa, mais uma vez obrigada pelas palavras que me vais deixando.
Acontece apenas que, como julgo que se percebe na adenda acima, estou em fase em que vou oscilando entre apetência para sair de um filme e teima num olhar positivo, mesmo que para horizonte pouco próximo no tempo. E, sabes, quando se anda oscilante no estado de espírito sobre algo, não deixa de ser sensato pôr adesivo na boca durante um tempinho até parar a oscilação, o problema é que a minha boca não está habituada a adesivos (o que não quer dizer que não deva aprender a pô-los temporariamente)
:)
Bj

Rui disse...

Pois, à medida que o período vai avançando e tal como no anterior, eu vou emudecendo nem sei bem porquê. Parece um embrutecimento, um cansaço, do qual só consigo sair por causa de uma comoção profunda ou de uma indignação forte. Bom, o essencial é que isto não ataque toda a gente (portanto, nada de ficar muda, Isabel!), porque o silêncio é o grande aliado dos autoritarismos.

Miguel Sousa disse...

ei, meninos e meninas acordem, afinal ser professor é isso...ou não será?

IC disse...

Miguel, (e lembro a canção também ao Rui), fizeste-me lembrar a canção Acordai... Lopes Graça...

"Acordai,
Acordai, homens que dormis
A embalar a dor
A embalar a dor
Dos silêncios vis
Vinde no clamor das almas viris
Arrancar a flor que dorme na raiz

Acordai
Acordai, raios e tufões
Que dormis no ar
Que dormis no ar
E nas multidões vinde incendiar lastros e canções
As pedras e o mar, o mundo e os corações

Acordai
Acendei d’almas e de sóis
Este mar sem cais
Este mar sem cais
Nem luz de faróis
E acordai depois nas lutas finais
Os nossos heróis que dormem nos covais

Acordai"

;)

Miguel Pinto disse...

hummm... Ó Isabel, esta canção vinha embalada num disco de 78 rpm? :)))

IC disse...

[risos]Pronto, pronto, Miguel (Pinto), para a próxima procuro a canção do Chico Buarque "Ela desatinou", agora é que não dá pois até madruguei para fazer o fim de semana mais comprido. (Se conseguir passá-lo em Marte ou em qq lugar extraterrestre, mando-a de lá) [mais risos]