domingo, abril 08, 2007

Um livro...

Embora este cantinho vá continuar em pausa, hoje fui movida por um post que descobri no blogue De Rerum Natura, post assinado por Carlos Fiolhais. Ressalvando que o texto de CF é mais lato do que o que aqui vou recordar como memória minha, emocionou-me a referência não só a Bento de Jesus Caraça, mas à obra cuja capa se vê no topo desse post:


Ignoro se ainda se encontram exemplares à venda de alguma reedição, a que tenho é esta:

Emocionou-me porque este livro foi uma obra que li sofregamente algures na década de 70. Sugiro-o vivamente, pelo menos aos professores de Matemática. Apesar da minha grande admiração por Bento de Jesus Caraça, limito-me a reforçar aqui a referência a esta obra. Um aspecto que nela me fascinou foi a perspectiva dialéctica com que o autor descreve várias evoluções na história da Matemática, nomeadamente no progressivo alargamento do campo dos números, na ultrapassagem de "impasses" gerando novas criações da mente humana no que respeita a conceitos matemáticos, inclusivamente os que se tornaram elementares. Outro aspecto que foi para mim muito interessante tem a ver com uma descrição que alia as novas criações aos contextos e necessidades sociais.

Do prefácio do próprio Bento de Jesus Caraça, datado de 1941, transcrevo a 1ª parte, intitulada Duas atitudes em face da Ciência:

«A Ciência pode ser encarada sob dois aspectos diferentes. Ou se olha para ela tal como vem exposta nos livros de ensino, como coisa criada, e o aspecto é o de um todo harmonioso, onde os capítulos se encadeiam em ordem, sem contradições. Ou se procura acompanhá-la no seu desenvolvimento progressivo, assistir à maneira como foi sendo elaborada, e o aspecto é totalmente diferente - descobrem-se hesitações, dúvidas, contradições, que só um longo trabalho de reflexão e apuramento consegue eliminar, para que logo surjam outras hesitações, outras dúvidas, outras contradições.
Descobre-se ainda qualquer coisa mais importante e mais interessante: - no primeiro aspecto, a Ciência parece bastar-se a si própria, a formação dos conceitos e das teorias parece obedecer só a necessidades interiores; no segundo, pelo contrário, vê-se toda a influência que o ambiente da vida social exerce sobre a criação da Ciência.
A Ciência, encarada assim, aparece-nos como um organismo vivo, impregnado de condição humana, com as suas forças e as suas fraquezas e subordinado às grandes necessidades do homem na sua luta pelo entendimento e pela libertação; aparece-nos, enfim, como um grande capítulo da vida humana social.

Será esta atitude que tomaremos aqui. (...)»


8 comentários:

3za disse...

Bom encontrar-te por aqui... beber água cristalina, avivar memórias e pérolas que não devem ser esquecidas. Obrigada! Beijinhos

TsiWari disse...

Esse conceito de Ciência - e de Matemática, em particular - é o que justifica o estudo da sua História. Crucial, acho eu...

***

henrique santos disse...

Isabel
O professor Bento de Jesús Caraça, desde que comecei por lhe conhecer a obra é para mim uma das maiores referências. E isso nos campos moral, intelectual, político e pedagógico. Penso ter dele e sobre ele grande parte da obra até agora produzida em Portugal. O livro "conceitos fundamentais de matemática" foi há alguns anos reeditado em Portugal pela gradiva, com prefácio do professor Paulo Almeida e enriquecido com alguns acrescentos finais devidos a alguns matemáticos que tentaram promover artigos de divulgação da matemática como Caraça o tinha feito. Existe uma instituição ligada à CGTP que tem o nome dele e há um volume que reune algumas das palestras que Caraça deu nas Universidades Populares de quem foi grande entusiasta. É com imenso gosto que vejo partilhar contigo do gosto em relação à obra deste Homem de cultura e grande democrata no sentido pleno do termo.
Eu tive a sorte de falar e de aprender também com o professor e matemático José Morgado, falecido há uns anos que era um homem de calibre parecido com Caraça.

IC disse...

Obrigada 3za, Tsiwari e Henrique por terem comentado, pois Bento de Jesus Caraça é para mim uma grande referência [até me fez interromper a minha pausa ;)]

Obrigada Henrique pela partilha, Caraça também é para mim uma enorme referência em todos esses campos que referes - moral, intelectual, político e pedagógico. E obrigada também pela informação que acrescentas sobre a reedição deste livro, eu tinha a ideia de ter visto, mas não tinha a certeza.

Tit disse...

Obrigada pela sugestão IC. Vou registá-la na minha lista de prioridades.

Um grande beijinho e fica bem por onde andares em "play" - por aqui, por ali, por acolá...;)

IC disse...

Tit
Já vi na net que a reedição referida pelo Henrique é de 1998, mas, entretanto, vi tb que a APM teve à venda nova reedição de 2003, só que tem o "Stock Indisponível". Espero que encontres, acho que vais gostar.
Um grande beijinho tb para ti.

Marina disse...

IC, tanto que eu preciso, por estes dias de aprofundar os meus conceitos fundamentais de matematica!!!
Enfim, foi so um desabafo...

E pena, que essa tal atitude em relacao a ciencia, ocorra com tao pouca frequencia...
Penso que seria tudo muito mais claro, se todos percebessemos que a ciencia faz parte do mundo e nao esta a parte dele!

Beijitos IC

maria disse...

Bento J Caraças é mesmo uma figura interessante em vários aspectos que sempre me seduziu. Tenho a 7ª edição que é de 1978 a que recorro muitas vezes porque gosto da a reler.