sexta-feira, julho 14, 2006

Sobre comentários de Valter Lemos...

Conhecidos os resultados dos exames de Português e Matemática do 9º ano, Valter Lemos emitiu comentários que causariam dó a quem ouviu se não acontecesse que quem o ouve é cidadão deste país - ter dó deste membro da governação do país é ter pena do país que tem tal mentor da política educativa, é, portanto, ter pena de si próprio dado que ao país pertence. Ora, eu não quero ter pena de mim mesma, eu quero é que ponham esse Valter na rua!
Os comentários de Valter Lemos acabaram por ficar sintetizados nesta sua frase digna de constar entre os pensamentos a guardar para a posteridade:
«Esperamos que os resultados continuem a melhorar, até que os níveis de Matemática sejam pelo menos idênticos aos do Português, o que já seria razoável, porque significaria que eram positivos» (Destaque meu).

1º comentário meu:
46 em cada 100 alunos do 9º ano tiveram nível negativo na prova de Português. Considerará o Secretário de Estado da Educação que teremos um país 'positivo' se 'somente' 46% da futura população adulta portuguesa for incompetente na sua própria língua?

2º Comentário meu:
Estatisticamente, os resultados em Matemática apontam para uma pequena melhoria - de apenas 30% de classificações positivas no ano anterior passou-se agora para (também apenas) 36%. Mas... que fácil se tornaria para quem investiga seja que tendência for numa dada população se lhe bastasse ir aplicando testes ao sabor de quem fosse concebendo um e outro e outro como se as variáveis inerentes a diferentes conteúdos e graus de dificuldade desses testes não tivessem qualquer importância! O teste de Matemática deste ano parece mais fácil para os alunos do que o do ano anterior (ou menos difícil, atendendo aos resultados) e, embora dizer que 'parece' não signifique certeza, penso que pelo menos ficou atenuado o factor surpresa perante o tipo de itens. De qualquer modo, pouco interessa que sim ou que não pois o facto é que testes diferentes quanto a conteúdos abrangidos e a graus de dificuldade não podem permitir inferir que as competências matemáticas dos alunos melhoraram (ou pioraram), sobretudo quando a diferença percentual dos resultados é tão pequena. E isto é claro para qualquer pessoa que não esteja distraída - ou trata-se só de números para as estatísticas a pendurar na porta do país e não de tentar perceber como andam saberes e competências dos nossos alunos? Assim, das duas, uma: ou os raciocínios do sr. Valter Lemos padecem de indigência mental, ou o sr. Valter Lemos espera que disso sofram os que o ouvem.

3º e último comentário meu:
Sempre que tenho ouvido ou lido palavras desse personagem do Ministério da Educação, de nome Valter, (admito que tenha azar nas poucas vezes que me dou ao trabalho de o ouvir ou ler) fico prestes a sentir constrangimento, como quem está perante alguém que emite uma estupidez (desculpe-se-me a crueza). Entretanto, não chego a ficar constrangida pois o que me vem imediatamente a seguir é a vontade de gritar: Ponham depressa esse indivíduo na rua!

5 comentários:

Miguel Pinto disse...

hummm....há personagens que não merecem 1 minuto da nossa atenção... os parcos segundos que gastamos com elas só se justificam para lançar uma bela risada. ;)

TsiWari disse...

lamentável, meu caro Lemos, lamentável.

Miguel Sousa disse...

discordo com o Miguel e concordo com o tempo que ofereceste a esse tipo. è preciso dizer que essa gentinha trabalha mal e que se a estupidez pagasse impostos esse tipo andava carimbado

3za disse...

assim vai a educação... espanta-me que as pessoas não façam este raciocínio elementar que prova os argumentos de quem tem combatido o lemos e companhia lda... mas tb... 46 em 100... poucos teráo competência para perceber... por isso mesmo é que o valterzinho acha que é um resultado positivo (estão a ver a coisa?)

Anónimo disse...

O secretário V. Lemos é a maior vergonha do Governo da República e do Partido Saocialisat. Como é que esta personagem se tornou socialista depois de ser do CDS-PP de Penamacor?
As qaulidades profissionais dele são acima de tudo duvidosas. Muito duvidisas. Devia a~haver uma inspecção à actividades dele enaquanto presidente do IPCB se calhar havia novidades. Investigeum as qaulificações de muitos. Há surpresas e não são poucas. Valter é igual a medicridade. Um verdadeira Beirão é diferente. Um beirão não é um aldrabão como o Valter é. Não é DOUTOR e assina como tal. Não é MESTRE é MASTER!
Quando Guterres era 1ºMinistro o Vlater era do PP.