quinta-feira, janeiro 22, 2009

O vendedor de cachorros-quentes e a crise

Um homem vivia na beira da estrada e vendia cachorros-quentes. Não tinha rádio e, por deficiência de visão, não podia ler jornais. Em compensação, vendia bons cachorros-quentes.
Colocou um cartaz na beira da estrada, anunciando a mercadoria, e ficou por ali gritando quando alguém passava: "Olha o cachorro-quente especial!!!"
E as pessoas compravam. Com isso, aumentou os pedidos de pão e salsicha, e acabou construindo uma mercearia. Então, ao telefonar para o filho que morava em outra cidade e contar as novidades, o filho disse:
- "Pai, o senhor não tem ouvido rádio? Não tem lido jornais? Há uma crise muito séria e a situação internacional é perigosíssima!"
Diante disso, o pai pensou:
- "Meu filho estuda na universidade! Ouve rádio e lê jornais... portanto, deve saber o que está dizendo!"
Então, reduziu os pedidos de pão e salsichas, tirou o cartaz da beira da estrada, e não ficou por ali apregoando os seus cachorros-quentes. As vendas caíram do dia para a noite e ele disse ao filho:
- "Você tinha razão, meu filho, a crise é muito séria!"

Autor desconhecido

2 comentários:

José Manuel N. Azevedo disse...

A "crise" está a ser utilizada agora como a "guerra" foi desde sempre: para manipular as pessoas e as levar a aceitarem o inaceitável.
Reparou como o dinheiro que não há para reduzir a dependência dos combustíveis fósseis, ou para melhorar a assistência médica em países carenciados, (um trilião de dólares, li algures) apareceu subitamente para "salvar" especuladores financeiros?

PS: respondi ao seu comentário sobre o trabalho de grupo.

Marina disse...

IC, espero que esteja tudo ok!

Eu como já é costume, mesmo quando nao digo nada, ando sempre por perto.
E como eu adoro estas "estórias"!

Desta vez vim ler mas tambem avisar de um desafio la pelos meus lados.
Até ja! ;-)

Beijinhos e bom fds